Demissões do estaleiro Mauá, crise da Petrobras e leilões de exploração do pré-sal foram temas discutidos em audiência pública na Câmara de Vereadores de Niterói, no Centro, na manhã de ontem. O encontro foi organizado pelo vereador Bira Marques para debater a retomada das obras de construção do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). A expectativa é a contratação de pelo menos 400 trabalhadores para a volta das obras no ano que vem, através do Consórcio Intermunicipal dos Municípios do Leste Fluminense (Conleste). Até o dia 15 de dezembro será marcado um seminário sobre o Comperj e seu viés econômico e social, organizado pelo parlamentar.

O Plenário Brígido Tinoco ficou pequeno para a quantidade de pessoas que participaram do evento público. Porém, apesar do positivismo com a retomada das obras, nenhum representante da Petrobras esteve presente no encontro. “Muito importante a Câmara de Niterói apresentar esse debate diante da importância que Niterói tem no Leste Fluminense. Em um momento de retomada das obras do Comperj é fundamental a organização e monitoramento das ações da Petrobras. Mobilizar sindicatos patronais e dos trabalhadores em torno dessa pauta. O Conleste veio para ajudar ainda mais a retomada do Comperj”, comentou o deputado Bira.

O investimento no Comperj será na ordem dos R$ 10 bilhões com projeto até 2020. “Essa reunião foi para apontar um horizonte de possibilidades com a retomada das obras do Comperj, voltar a gerar empregos diretos e indiretos. Parecia que estávamos diante de um novo Eldorado e de repente isso virou uma frustração”, comparou Waldeck Carneiro, Deputado Estadual.

Estiveram presentes na audiência representantes de diversos sindicatos como: Químicos de Itaboraí, Petroleiros do Rio de Janeiro (Sindispetro), Trabalhadores Empregados nas Empresas de Montagem e Manutenção Industrial do Município de Itaboraí (Sintramon), Trabalhadores Petroquímicos de Itaboraí; estaleiros como Mac Laren e Mauá; e secretarias como Desenvolvimento Econômico, Indústria Naval e Petróleo e Gás de Niterói e Indústria Portuária de Maricá, entre outros.

PETROBRAS

Um evento promovido pela Associação Comercial do Rio reuniu empresários na tarde de ontem. Na ocasião o presidente da Petrobras, Pedro Parente, disse que aguarda conseguir apoio de empresários para conclusão das obras do Comperj. As intervenções foram paradas em 2015 após denúncia da Lava Jato.

Responder